Repórteres de Guerra - Caraguá Beach
.

Repórteres de Guerra



O filme Repórteres de Guerra (The Bang Bang Club), do diretor Steven Silver, é uma trama envolvente baseada em fatos reais. Nos últimos momentos de uma política racial implantada na África do Sul, o Apartheid, onde os negros não tinham direito a nada, quatro repórteres começam a fotografar a desigualdade e violência do país.

Contratados pelo Jornal The Star, os repórteres Kevin Carter (Taylor Kitsch), Ken Oosterbroek (Frank Rautenbach) e Ronald Graham (Russel Savadier), conhecem o novato e despretensioso fotógrafo cultural Greg Marinovich (Ryan Phillippe). No começo do filme Greg mostra alguns de seus trabalhos, que são sobre a cultura da África do Sul, bem diferente do que o restante de seus colegas estavam acostumados a fotografar, que eram guerras.

Logo na primeira oportunidade de registrar o conflito entre as comunidades Inkathas, da etnia zulu (os quais eram apoiados pelo governo segregacionista que até então estava no poder), e os partidários do Congresso Nacional Africano (CNA), partido de Nelson Mandela, Marinovich consegue entrar no acampamento onde moravam os Zulus.

Nesta hora percebemos até onde os profissionais do fotojornalismo vão para registar uma boa foto. O local onde o repórter estava indo era perigoso, e ele ainda foi avisado por um jovem partidário do CNA que não deveria prosseguir, mas o instinto de repórter o guiou para dentro.

Por sorte, Greg Marinovich conseguiu o respeito dos líderes da comunidade Zulu, talvez ao dizer que queria apenas mostrar o lado deles, questionando o que os próprios Inkathas acreditavam por imprensa – para eles, os jornalistas ouviam apenas o lado oficial dos fatos.

A partir daí, o novato fotógrafo de guerra, privilegiado por estar onde outros 
fotógrafos não conseguiram estar, começa a registrar momentos íntimos e violentos que a comunidade Zulu poderia mostrar. Marinovich conseguiu registrar fotos de assassinatos e crueldade bem próximos da realidade – muitas vezes, colocando a própria vida em risco.

Ao tentar vender suas fotos, registrando momentos íntimos de dentro do acampamento dos Inkathas para a editora chefe do jornal The Star, Robin Comley (Malin Akerman), Greg Marinovich começa a ganhar respeito entre os outros repórteres e integra o grupo de freelancers do veículo de comunicação.
Partindo para registrar os conflitos entre as comunidades, os quatro repórteres formam o grupo de fotógrafos de guerra “The Bang Bang Club”. O nome “Bang-Bang” nasceu de um artigo publicado numa revista Sul Africana. O “bang-bang” era uma referência à violência que ocorria dentro das comunidades, e ao som comum de tiros nas ruas e estradas.

A trama é voltada para o fotógrafo Greg Marinovich, e o filme é bastante parecido com um documentário, até mesmo podemos perceber algumas cenas gravadas com câmeras de mão. Em uma ocasião que estava registrando um conflito, Greg Marinovich recebeu, em 1990, um prêmio Pulitzer por uma série de fotos em que um homem identificado como Inkatha é queimado vivo por integrantes da CNA, em Soweto.


Vendo seu colega conseguindo grandes fotografias e até mesmo prêmios, o repórter do jornal The Star, Kevin Carter, começa a se cobrar por ainda não conseguir o reconhecimento que tanto almejava.

Carter foi para a Somália registrar os conflitos sociais de lá, onde conseguiu o seu primeiro Pulitzer ao registrar uma criança morrendo de fome, e um abutre logo atrás, como se estivesse esperando-a morrer para devorá-la.

Foto: Kevin Carter – prêmio Pulitzer, 1994

A foto polêmica abriu um debate sobre os limites da ética e o respeito dos repórteres na hora de registrar um fato. O papel do fotojornalista – neste caso, é mais importante do que salvar uma vida? E o dever do jornalista de ajudar pessoas?

A problemática racial também é abordada no filme. Na época do Apartheid considerava-se sorte nascer branco. Os repórteres não tinham problemas em transitar nos locais do conflito por serem brancos e não levantavam suspeitas, pois, todos sabiam que não eram africanos.

Após uma série de fotografias que chamaram a atenção do mundo para as injustiças e exclusões geradas pelo Apartheid e pelas guerras na África do Sul.
Após vários questionamentos internos e moralistas da parte dos repórteres do “The Bang Bang Club”, eles decidem deixar a cobertura de conflitos e tomam estradas diferentes.


Em 2000, João Silva e Greg Marinovich publicaram o livro “The Bang Bang Club”, base para o filme de Steven Silver. “Repórteres de Guerra” expõe mais do que a dureza da realidade de uma guerra civil: destaca a ousadia e a determinação, os impasses e questionamentos éticos da atuação jornalística.

CONFIRA O FILME NA ÍNTEGRA

Ficha Técnica:
Gênero: Drama
Título original: The bang bang club
Duração: 106 minutos
Direção: Steven Silver
Roteiro: Steven Silver e João Silva
Distribuidora: Paris Filmes
Ano: 2010
Elenco Principal:
Ryan Phillippe, como Greg Marinovich
Taylos Kitsch, como Kevin Carter
Neels Can Jaarsveld, como Joao Silva
Frank Rautenbach, como Ken Oosterbroek
Malin Akerman, como Robin Comley

Fotos e vídeo: Reprodução

Arquivado em:   ,

2 Caiçaras comentaram:

  1. Nossa.
    Quero ver esse também.
    Deve de ser, forte hem.
    Adorei a dica. Abraços

    BLOG | FAN PAGE | INSTAGRAM | YOUTUBE | GOOGLE+

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então veja pq é mto bom!!!

      Excluir